OLHO VERMELHO é mesmo conjuntivite?

OLHO VERMELHO DUVIDAS
Compartilhe!

Olá, pessoal.

O assunto de hoje é extremamente comum…e polêmico!

Quando mencionamos “olho vermelho” em oftalmologia, a lista de causas é tão enorme que eu poderia falar disso até amanhã. Então, não se preocupem. Esse artigo de hoje não é uma lista interminável de todas as doenças que podem causar olho vermelho, mas um alerta contra a generalização.

“Como assim, doutora?”

Quando uma pessoa percebe que está com o olho vermelho, especialmente se acompanhado de outros sintomas, imediatamente o pensamento que surge é “estou com conjuntivite”.

O problema é quando a vizinha também acha que você está com conjuntivite e oferece aquele colírio que ela usou quando teve o problema, ou o profissional no balcão da farmácia decide indicar um colírio ótimo para conjuntivite e, até mesmo, outros profissionais de saúde.

não curti

Hoje em dia, eu atuo somente como Oftalmologista em consultório, porém, já tive outras fases de vida em que trabalhava em plantões de emergência e era clássica a situação de um médico clínico prescrever colírios como tratamento para conjuntivite para muitos pacientes que apareciam com queixas de olho vermelho, sem ter a condição de realizar um exame oftalmológico adequado. Sei que isso ainda ocorre com frequencia.

“Qual o problema disso?” você deve estar se perguntando. Pois bem, vamos entender melhor…

Conjuntivite é um diagnóstico oftalmológico

“Lá vem essa médica puxar a brasa pra sardinha dos oftalmologistas…”

Estando no seu lugar, eu teria o mesmo pensamento. Porém, vou explicar o por quê do diagnóstico de conjuntivite só poder ser dado por um médico oftalmologista.

Neste artigo aqui (um dos primeiros do blog), expliquei como é feito o exame oftalmológico. Sabe aquela imagem que todos temos de um médico, com seu estetoscópio pendurado no pescoço?

 

medico estetoscopio

Pois bem, para o oftalmologista, o “estetoscópio” se chama Lâmpada de Fenda. Sem ela, não há exame. É o principal instrumento para o exame ocular e nada mais é do que um microscópio que nos permite visualizar os olhos com grande aumento e perceber toda e qualquer pequena alteração.

Via de regra, o oftalmologista é o único profissional que dispõe desse aparelho em consultórios, clínicas ou hospitais e é o único que está apto a identificar as alterações oculares.

lampada de fenda

“E porque essas pequenas alterações são tão importantes pra diagnosticar a causa do olho vermelho?” você pode estar questionando. Entenda a seguir.

A “impressão digital” de cada doença

É importante entender que o olho vermelho é apenas a consequencia de um problema e, como já dito antes, várias doenças oculares podem gerar essa alteração.

Cada uma dessas doenças, no geral, cursa com mais características oculares além da vermelhidão. A olho nú, essas alterações são impossíveis de serem vistas e faz-se necessário o uso da Lâmpada de Fenda para avaliar essas demais diferenças microscópicas específicas de cada doença, como verdadeiras “impressões digitais”. É assim que se estabelece o que chamamos de diagnóstico diferencial – conseguir determinar, dentre as várias doenças que podem causar o olho vermelho, aquela que está vigente.

Vamos a um exemplo prático para facilitar?

“Doutora, estou há alguns dias com o olho vermelho, ardência, lacrimejamento e arranhando. Também saiu alguma secreção.”

Logo de cara, o diagnóstico mais comum é a conjuntivite infecciosa. Porém, para sabermos se ela é de causa viral ou bacteriana – o que mudaria completamente o tratamento – faz-se necessário observar em microscópio as diferenças entre esses dois tipos, para descobrirmos qual está ocorrendo.

Outra doença que cursa com sintomas bastante semelhantes é o Herpes ocular. Apesar de menos comum, esse tem potencial de provocar alterações mais graves, como a úlcera de córnea (um verdadeiro ferimento na superficie do olho).

olho vermelho

Agora, imagine que a Sra.Fulana (nome fictício) que, na verdade, tem Herpes, mas, ao invés de procurar atendimento oftalmológico, tratou por conta própria ou com indicação de colírios sem ter realizado o exame. Provavelmente, a Sra. Fulana vai usar um colírio para tratamento de conjuntivite, que costuma ser uma combinação de antibiótico com corticóide (um tipo de anti-inflamatório bastante potente). O problema é que corticóides têm risco de piorar a cicatrização de machucados na córnea e são totalmente contra-indicados no caso de úlceras. O que teremos é a Sra. Fulana com um quadro gravíssimo de úlcera corneana por herpes que foi piorada pelo tratamento inadequado.

 

olho vermelho

Diga NÃO à generalização

O que deve fazer, então, uma pessoa que apresente quadro de olho vermelho?

Procurar seu oftalmologista de confiança.

Algumas causas podem ser crônicas e de mais fácil controle, como o olho seco, a blefarite ou alergia. Outras, mais agudas e contagiosas, como a conjuntivite ou, ainda, doenças que têm o potencial de rapidamente provocar prejuízo visual permanente, como as uveítes – inflamações lá dentro do globo ocular.

(olha eu aqui listando doenças mesmo dizendo anteriormente que não faria…alguém me segura)

Como disse no começo do artigo, as causas são inúmeras e não entediarei os senhores com tamanha lista.

O mais importante é disseminar este alerta contra à generalização, contra o auto-tratamento e contra a prescrição de remédios (oftalmológicos ou não) sem a realização de um exame prévio. Os riscos de complicações são elevados nesses casos.

Ficarei feliz se cada um que ler esse texto possa internalizar essa idéia e a disseminar para amigos, familiares, para o mundo! :)

Grande abraço e até a próxima.

Compartilhe!

Posted on 20 de setembro de 2016 in Curiosidades Gerais, Superfície Ocular

Share the Story

About the Author

Back to Top