ÓCULOS 3D funcionam para todos?

visão 3D
Compartilhe!

Olá, pessoal. Hoje, vamos conversar sobre amenidades…um tema que desperta bastante curiosidade e está cada vez mais presente no dia-a-dia do entretenimento, seja no cinema ou em casa: o funcionamento dos óculos 3D.

Antes de mais nada, é necessário entendermos um pouquinho como acontece a formação da imagem, mas não se apavorem…prometo não complicar.

A visão binocular

Os seres humanos possuem uma visão chamada binocular ou estereoscópica (ahrg! Já começou a complicar). O que isso significa?

Significa que cada um dos nossos olhos capta uma imagem diferente, envia essa imagem ao cérebro e este é responsável por unir as duas, formando a imagem final (ou terceira imagem), que é a forma como interpretamos o mundo. Veja abaixo:

 

visão binocular

Repare que cada olho possui um campo de visão (marcado em cor-de-rosa) ligeiramente diferente do outro. Como a distância entre os nossos olhos é pequena, boa parte desses campos de visão fica sobreposta, porém, cada olho enxerga um mesmo objeto sob um ângulo um pouquinho diferente do outro.

Quando o cérebro recebe as duas imagens, essa ligeira diferença entre os ângulos que cada olho enxerga cria a noção de profundidade (ou estereopsia).

Podemos dizer, então, que a visão binocular é tridimensional.

Entendida essa parte, podemos prosseguir para o funcionamento dos óculos 3D.

A imagem 3D

Então, como criar uma imagem em 3D se os dois olhos estão vendo uma tela plana no cinema ou na televisão?

É necessário que cada olho enxergue uma imagem ligeiramente diferente em relação ao que o outro olho enxerga, justamente para imitar o mecanismo que gera a noção de profundidade da visão binocular normal.

A tal da luz polarizada

Num óculos 3D, a lente de cada olho é diferente, com o intuito de criar um filtro diferente para a visão de cada olho.

Antigamente, isso era obtido com óculos vermelhos e azuis como na imagem abaixo.

óculos 3D

Para esses tipos de óculos, os filmes possuiam duas camadas de imagem, uma azul e uma vermelha, com ligeiras diferenças de ângulo de visualização. Ao utilizarmos os óculos com filtros coloridos, cada olho somente conseguia enxergar a imagem que não era filtrada pela lente, criando imagens diferentes para cada olho. O cérebro, então, interpretava essa diferença como uma cena tridimensional, porém, por causa da diferença de coloração, as imagens não ficavam muito precisas ou confortáveis para o olho humano.

Hoje em dia, a tecnologia dos filmes em 3D utiliza o que chamamos de luz polarizada. Vou explicar de uma forma bem simples:

Já vimos em outros posts deste blog que, para enxergarmos, a luz entra em nossos olhos através da pupila, chegando à retina no fundo de olho, onde é captada a imagem e enviada ao cérebro.

 

mecanismo da visão

 

Portanto, precisamos de alguma luz para enxergarmos.

A luz nada mais é do que uma onda, veja abaixo:

 

onda de luz

 

Aposto que você lembrou das aulas de física no colégio, certo?

Não se desespere. Para entender o funcionamento dos óculos 3D atuais, basta saber que a onda de luz pode ter essas oscilações em qualquer direção, algumas verticais, outras horizontais, por exemplo.

Quando a luz é polarizada, significa que aquela onda de luz oscila somente em uma direção (vertical ou horizontal).

E o que a lente polarizada faz? A lente polarizada funciona como uma “persiana”…é como se quebrasse os raios de luz, só deixando passar a luz que oscila em uma determinada direção.

Nos atuais filmes 3D, em cada cena temos duas imagens projetadas sobrepostas, com ligeira diferença de ângulo de visão entre elas, a fim de provocar aquele efeito tridimensional. Uma dessas imagens é formada por luz polarizada na vertical, outra na horizontal. Nos nossos óculos, uma das lentes é polarizada para deixar passar somente raios na vertical e a outra somente raios na horizontal. E, prontinho: temos, assim, a formação de uma imagem diferente para cada olho, com o cérebro interpretando tudo isso como uma imagem 3D, com a manutenção da qualidade das cores.

 

visão polarizada

 

A lente, de fato, é um pouco mais escurecida e é por esse motivo que as telas tendem a ser mais brilhantes nesses filmes.

Por que os óculos 3D não funcionam para todos?

Como vimos anteriormente, o efeito dos óculos 3D dependem de uma visão binocular saudável, ou seja, que o cérebro seja capaz de realizar a fusão: unir as imagens vindas dos dois olhos em apenas uma.

 

Imagine, então, pessoas que possuem estrabismo, com olhos desalinhados. Essa diferença de alinhamento provoca a formação de duas imagens tão diferentes entre os olhos, que o cérebro não é capaz de fundí-las. Por vezes, pequenos desvios oculares, ainda que não sejam suficientes para ganharem o nome de estrabismo (são as chamadas forias), podem provocar essa dificuldade.

 

estrabismo

 

Da mesma forma, pessoas com Ambliopia (“olho preguiçoso”), que nunca desenvolveram bem a visão de um dos olhos, também não conseguem criar uma imagem de qualidade com o olho amblíope para que seja fundida à imagem proveniente do outro olho.

É intuitivo entender que pessoas cegas de um dos olhos também terão problemas de noção espacial por esse motivo.

 

“Mas doutora, se eu tiver estrabismo, foria ou ambliopia, os óculos 3D não servem pra nada?”

 

Não posso mentir. O efeito tridimensional esperado não será o mesmo experimentado por uma pessoa que não possui um déficit visual. Porém, mesmo que a visão não fique com muita profundidade, os óculos 3D podem fornecer a junção das imagens projetadas para que você não as veja borradas ou duplicadas.

 

Espero que esse artigo tenha sido útil para que você entenda o motivo pelo qual tantas pessoas apresentam problemas de noção de profundidade na visão e não conseguem utilizar óculos 3D com os efeitos desejados.

Não deixe de procurar seu oftalmologista de confiança na presença de algum problema visual.

 

Grande abraço e até a próxima :)

 

 

 

 

Compartilhe!

Posted on 30 de março de 2016 in Curiosidades Gerais

Share the Story

About the Author

Back to Top