Entendendo a MIOPIA

miopia
Compartilhe!

“Doutora, de pertinho eu enxergo que é uma beleza, agora de longe…xiiii”

 

Essa deve ser uma das queixas mais frequentes no meu consultório e, provavelmente, em todos os outros consultórios de oftalmologistas. A causa? Miopia.

Aproximadamente 30% da população brasileira apresenta um quadro de miopia. Ela faz parte de um grupo de alterações chamado Erros de Refração, juntamente com a Hipermetropia e o Astigmatismo.

No artigo “Miopia induzida por dispositivos móveis”, expliquei um pouco sobre o funcionamento básico da visão em foco.

Nosso olho funciona de uma forma bem parecida com as câmeras fotográficas: a luz passa por estruturas que têm efeito de lente (a córnea e o cristalino), a quantidade de luz que entra no olho é regulada por um “diafragma” (a pupila) e a imagem é registrada no “filme fotográfico” (a retina).

miopia

mecanismo da miopia

A Refração é o processo pelo qual algumas estruturas (córnea e cristalino) atuam desviando os raios de luz que entram no olho para que esses foquem exatamente na Retina. Logo, um Erro de Refração é justamente quando esse foco não consegue cair exatamente na Retina. Toda vez em que o foco está fora da Retina, a visão fica embaçada.

No caso da miopia, há um alongamento do olho (veja a foto acima), impedindo que o nosso sistema de lentes (córnea e cristalino) consiga focalizar os raios de luz em cima da retina – esses acabam focalizando em um ponto anterior ao nosso fundo de olho, o que faz com que a imagem formada seja borrada. Quanto maior a distância de um objeto, para um olho míope, mais embaçada será a imagem. Por essa razão, pacientes míopes enxergam melhor de perto e muito mal de longe.

Quando a miopia surge?

Como já expliquei anterioremente, é comum observarmos que a miopia ocorra em pessoas com olhos maiores, mais alongados. Fica fácil entender, então, porque essa doença tende a se manifestar no final da infância e início da adolescência na maioria dos casos – trata-se do período de estirão do crescimento. O crescimento dos olhos acompanha o do corpo como um todo.

criança miope

 

Podem, também, existir casos em que a miopia surge mais cedo na vida ou mesmo já na idade adulta. Fatores genéticos são os principais responsáveis nesses casos. Alguns estudos apontam para a possibilidade de indução da miopia devido a um esforço contínuo da visão de perto (livros, dispositivos móveis, etc) – falo mais sobre esse assunto aqui. Sabe-se que orientais têm uma maior tendência à miopia com graus mais elevados.

O que eu sinto quando tenho miopia?

A principal alteração da miopia é o embaçamento da visão para longe. Na tentativa de reduzir a visão borrada, muitas pessoas realizam um esforço contínuo e apertam os olhos, o que pode gerar cansaço visual e cefaléia. A visão para leitura de perto costuma estar preservada (com exceção de pacientes acima de 40 anos que já podem ter desenvolvido a Presbiopia).

 

visão miope

 

Normalmente, em ambientes com pouca iluminação, a visão miope tende a piorar de qualidade. É por esse motivo que muitos desses pacientes queixam-se de piora da visão noturna e dificuldade de dirigir à noite.

Como já dito, a miopia costuma acompanhar o crescimento. Dessa forma, tende a estacionar após os 21 anos, mas nem sempre essa é a regra. É possível que algumas pessoas experimentem aumento do grau mesmo após essa idade e em casos de miopia degenerativa também (leia abaixo).

Os riscos da miopia

Na grande maioria dos casos, a miopia não oferece mais riscos à visão. É uma alteração que pode ser contornada com o uso de lentes corretivas (óculos ou lentes de contato) ou cirurgia.

Porém, existem casos em que a miopia pode aumentar o risco de algumas complicações. Sabe-se que acima de 6 graus de miopia, existe um maior risco de desenvolver Glaucoma. Além disso, olhos com esse grau elevado são, no geral, bastante alongados. Isso significa que a Retina – tecido que “forra” toda a parte interna do fundo de olho e é responsável pela captação da imagem – sofre uma maior tração.

 

rotura de retina

Imagine esticar um tecido de pano qualquer até que o mesmo começe a fazer pequenos rasgos onde está mais frágil. É mais ou menos isso que pode ocorrer com a Retina. Esses pequenos rasgos ou roturas retinianos podem ocasionar o descolamento de retina.

Todas essas alterações descritas são comumente assintomáticas. Portanto, é de suma importância a avaliação oftalmológica periódica, para que sejam investigadas e tratadas a tempo.

No caso da miopia degenerativa (ou miopia patológica), a anatomia do olho fica significativamente alterada, provocando um aumento progressivo do grau, chegando a valores elevados bem acima de 6 graus e alterações na qualidade da Retina, gerando uma perda da visão mais severa que não consegue ser melhorada com a correção do grau e aumentando bastante o risco de roturas e descolamento da retina.

Diagnosticando e tratando a miopia

exame de vista

A miopia pode ser facilmente diagnosticada na consulta oftalmológica básica, através do exame de refração. No artigo sobre “O que esperar do exame de vista”, expliquei como ele é realizado. É o famoso exame do grau, no qual o médico oftalmologista, ao constatar uma visão insuficiente, tenta melhorá-la através das lentes corretivas até atingir um resultado satisfatório.

 

O paciente pode ter outros erros de refração associados à miopia, como o astigmatismo e a presbiopia.

Com o tratamento do erro de refração, o intuito do oftalmologista é compensar o que o nosso sistema de lentes naturais (córnea e cristalino) não está conseguindo fazer direito e corrigir a formação do foco na Retina.

Isso pode ser feito através de óculos – saiba como realizar a escolha correta dos seus óculos aqui – ou lentes de contato. Outra possibilidade é a cirurgia refrativa, na qual é gerada uma alteração da curvatura da córnea através de um laser, totalmente indolor e de forma rápida, compensando o grau da miopia. No entanto, a solução cirúrgica somente pode ser adotada quando o aumento do grau estacionar e se outros critérios oftalmológicos estiverem adequados.

 

ametropias

 

Mito

Muita gente acredita que o grau da miopia aumenta quando não utilizamos os óculos. Isso é uma “lenda urbana”. O grau da miopia vai aumentar de acordo com a genética e crescimento de cada um. A não utilização dos óculos não interfere nesse aspecto mas, logicamente, reduz bastante a qualidade de vida de alguém que necessita de lentes corretivas para enxergar com qualidade!

 

É importante ressaltar a necessidade de acompanhamento oftalmológico, no mínimo, anual, na presença ou não de miopia ou outro erro de refração. Não espere que a visão borre ou que os óculos pareçam fracos para procurar o médico oftalmologista, pois é na consulta de rotina que temos oportunidade de diagnosticar outras doenças que podem ser silenciosas.

 

Grande abraço e até a próxima :)

 

 

Compartilhe!

Posted on 9 de março de 2016 in Erros de Refração

Share the Story

About the Author

Back to Top